Abordagem: Análise Psicodramática

Simone souza psicologaNo olhar da Análise Psicodramática a psicoterapia é o processo de aceleração do desenvolvimento psicológico de um indivíduo que, por motivos diversos e em várias fases de sua vida, teve partes desse desenvolvimento bloqueadas. 

Os sentimentos estão presentes durante todo o processo de psicoterapia. Não podemos falar sobre o ser humano sem falar de seus sentimentos. Ao abordarmos o assunto psicoterapia, estamos falando de algum tipo de tratamento, e quando abordamos o manejo dos sentimentos, estamos falando sobre tratar os sentimentos. 

Embora os sentimentos façam parte inerente do ser humano e de seu psiquismo, eles frequentemente necessitam de algum tipo de procedimento psicoterápico. Pois, seja pela ação da moral ou por estarem vinculados a psicodinâmicas patológicas eles necessitam ser tratados.

Para um melhor entendimento, vamos definir algumas premissas básicas dentro da análise psicodramática: Todos os sentimentos são humanos e todos nós nascemos com a capacidade de sentir todos eles, em outras palavras: “eles vêm de fábrica”.

Todos os sentimentos são ou foram importantes para a vivência e para a sobrevivência da nossa espécie. Portanto, não aceitamos que existam sentimentos bons ou sentimentos maus, mas sim, sentimentos mal administrados. Dessa forma, os sentimentos nunca são patológicos na sua essência. 

Eles podem ser encarados como patológicos quando: 

  1. Estão francamente em confronto com os valores morais de uma determinada sociedade, num determinado tempo. 
  2. Estão misturados com angústia patológica. 
  3. Estão vinculados a psicodinâmicas patológicas.

Sentimentos e valores morais

Os sentimentos se tornam patológicos quando entram em conflito o seu Valor Moral com o seu Valor Essencial.

Tenha em mente que saúde mental é a capacidade de o indivíduo administrar suas condutas e procedimentos, entre os dois binômios fundamentais da convivência humana. Esses binômios fundamentais são: de um lado o conceito moral do certo/errado, e do outro a parte instintiva e vontade do querer/poder. A administração desses binômios é feita pelo bom-senso e pelo senso de adequação do indivíduo. Uma repressão do binômio, querer/poder, leva esse indivíduo a uma submissão aos conceitos morais e à anulação de suas próprias vontades. Por outro lado, ignorar o binômio certo/errado leva esse indivíduo a só levar em conta seus instintos e suas vontades, tornando-o marginalizado e inadequado no convívio social. Dessa forma, é fundamental para a saúde mental que o indivíduo administre, utilizando o seu bom-senso e o seu senso de adequação, o conflito entre o Valor Moral e o Valor Essencial dos seus sentimentos e das condutas a ele vinculadas.

Sentimentos misturados com a angústia patológica

Muitas vezes, os sentimentos aparecem misturados com algum tipo de angústia, sendo que a ansiedade é a mais comum. Entendemos que é essa mistura que é patológica, e não o sentimento em questão. 

Dentro dos conceitos da Análise Psicodramática, o sentimento ligado à angústia/ansiedade é entendida como uma das Defesas Conscientes. São mecanismos de evitação em que o indivíduo tem algum tipo de consciência de que está evitando algo, embora não tenha consciência de que está evitando algo, embora não tenha consciência de qual é o conteúdo evitado.  

Sentimentos vinculados a psicodinâmicas patológicas

Esses sentimentos são o que chamamos de sentimentos patológicos, cuja patologia está, na psicodinâmica, associada ao sentimento normal. O que torna o reconhecimento possível é que nos sentimentos patológicos existe sempre uma desproporção entre a intensidade do sentimento e o estímulo externo. Essa desproporção acontece porque: a intensidade do sentimento patológico é alimentada pela psicodinâmica acoplada, e não pelo estímulo externo. Dessa maneira, podemos dizer que todos os sentimentos podem se tornar patológicos, dependendo da psicodinâmica em que estejam vinculados.